Home » Celular » 8 aparelhos que tinham tudo para estourar e acabaram fracassando

8 aparelhos que tinham tudo para estourar e acabaram fracassando

Se tem algo que é inevitável antes do lançamento de certos produtos de determinadas companhias é o hype. Seja pelo visual, pelas funções prometidas, pelo marketing de lançamento ou simplesmente pelo histórico das fabricantes, a ansiedade absurda por determinados produtos surge com força há décadas, mesmo quando certas tecnologias ainda não eram tão acessíveis.

O problema? Em alguns casos, os aparelhos de fato são um sucesso e entram para a história da empresa. Em outros, e pelos mais diversos motivos, o lançamento é um fracasso absoluto, manchando marcas, envergonhando executivos e fazendo muita gente passar raiva. A seguir, você conhece alguns dos produtos que se enquadram nessa segunda categoria.

1) Apple Newton (1993)

Steve Jobs retornou à Apple em 1998 após ser expulso pelo conselho de diretores, mas isso você já deve saber. O que pode ser novidade é que uma das primeiras ações dele foi descontinuar um aparelho chamado Newton. Ele  era mesmo problemático, isso não há como negar — e no pouco tempo de mercado ao menos ajudou a criar um segmento de mercado.

O Newton MessagePad foi um dos primeiros assistentes pessoais digitais, ou agendas eletrônicas. Ele reconhecia escritas manuais na tela com o uso de uma caneta especial, o que seria incrível se logo esse recurso não fosse o que mais dava defeito. Cobrar US$ 699 foi considerado um absurdo e, por demorar para sair dos laboratórios para as prateleiras, o aparelho não teve qualquer chance de sucesso.

2) IBM Simon (1994)

Esse é considerado o primeiro smartphone do mundo, existindo antes mesmo do próprio termo ser criado. O Simon saiu em 1994 com uma tela sensível ao toque de 4,5″ com 160 x 293 pixels, além de 1 MB de RAM. Além de celular, ele acumulava funções de assistente digital, cliente de email e muito mais.

A conclusão geral é de que o Simon surgiu na época errada. Ele era pesado, enorme e muito, muito caro, pouco mais de mil dólares. Ele foi descontinuado por conta do fracasso comercial, mas entrou pra História e hoje é até peça de museu.

3) Amazon Fire Phone (2014)

Esse smartphone foi um dos poucos erros da Amazon no mercado — mas que foi tão grande que ela nunca mais tentou. O Fire Phone tinha uma interface em 3D com base no giroscópio e em quatro câmeras frontais, que garantia uma perspectiva única de navegação e efeitos bem interessantes de acordo com o ângulo em que você pegava o celular.

Outro recurso original era o Firefly, que reconhecia objetos pela câmera e relacionava eles com produtos à venda na Amazon. Só que a tela HD de 4,7″, o chip quad-core e os 2 GB de RAM já estavam ultrapassados. Depois de cortes bruscos no preço, ele parou de ser vendido em 2015.

4) Nokia N-Gage (2003)

A Nokia já não era mais a mesma gigante dos feature phones em 2003, e arriscou muito pra se recuperar. O N-Gage era uma mistura de portátil pra games, celular e MP3 player, só que no fim das contas não fazia nenhuma das três coisas direito.

O design mais horizontal deixava as chamadas telefônicas bem desconfortáveis e a tela era pequena em comparação aos botões. Já a biblioteca de games era bem reduzida e apanhava da concorrência, chegando a só 60 jogos. A função de tocar músicas não era ruim, mas não chegava nem perto de um certo iPod que já existia há dois naos. Ah, e ele foi lançado custando 299 dólares, três vezes mais que o grande rival Game Boy Advance. A Nokia foi teimosa mesmo com as baixas vendas e tentou lançar uma segunda versão chamada N-Gage QD, mas encerrou a produção de vez em 2010.

5) Google Nexus Q (2012)

A Google acelerou para ter um dispositivo de Internet das Coisas antes do tempo e se deu mal. O Nexus Q era um acessório esférico que seria um rival da Apple TV, mas nem chegou a ser lançado. Ele foi apresentado na Google I/O de 2012 e quem participou do evento levou um pra casa.

Quem fez a pré-venda recebeu o produto de graça, e essas foram as únicas unidades distribuídas. Ele era um dispositivo de streaming misturado com centro de mídia, mas tinha pouquíssimas funções. Ele não se conectava a nenhum app externo, tipo Netflix, e só operava com Google Play Música, Google Play Filmes e YouTube. A morte prematura ao menos serviu pra empresa repensar todo o conceito e anos depois lançar o excelente Chromecast.

6) Google Glass (2013)

Os óculos inteligentes Google Glass deixaram claro desde o começo que eles seriam um fracasso ou uma revolução. E, como você não vê ninguém por aí com eles, já dá pra imaginar qual foi. A ideia era que ele fosse uma extensão do seu smartphone, exibindo conteúdos pra você em pequenas telas na frente da lente e ao mesmo tempo gravar o seu campo de visão com uma câmera.

Os comandos podiam ser de voz ou usando um pequeno trackpad na lateral da armação. Vários testadores receberam o aparelho e criticaram muito a duração da bateria, sem contar os problemas de privacidade de quem era filmado. No fim das contas, ele nem foi comercializado em massa e rapidamente sumiu. A Google ainda tenta dar sobrevida aos óculos com foco em fábricas, mas já de forma discreta.

7) Microsoft Zune (2006)

O Zune foi a tentativa da Microsoft de entrar no mercado de MP3 Players. E muita gente jura que ele era melhor que o iPod em vários aspectos. A interface mais completa e o visual agradaram muitos consumidores, mas não foi o suficiente pra garantir a sobrevivência da marca.

Depois de quatro gerações, o Zune foi descontinuado em 2011 e durou mais quatro anos como serviço de streaming. No fim da vida, ele nem chegou perto de arranhar a soberania do iPod e de smartphones que já funcionavam pra tocar música.

8) HP TouchPad (2011)

O HP TouchPad é um recordista em um sentido negativo: ele só teve 49 dias de vida. O tablet tinha tudo pra estourar especialmente por conta do sistema operacional webOS, feito em parceria com a Palm, mas aí veio um combo de erros da HP. Primeiro, ela demorou seis meses entre o evento de apresentação do produto e o lançamento, o que esfriou o interesse e fez o produto encalhou nas lojas.

Segundo, o webOS foi feito às pressas e o resultado foi algo funcional, mas muito lento. Menos de dois meses depois, o webOS foi descontinuado e as unidades restantes TouchPad entraram em queima de estoque.

 

 

 

 

 

fonte: https://www.tecmundo.com.br/historia/115099-8-aparelhos-tinham-tudo-estourar-acabaram-fracassando.htm

Sobre R.S. Works T.I. Administrador

R.S. Works T.I. Administrador

A R.S. Works – Soluções em T.I. É empresa que está no ramo desde 2009. Estamos com uma área grande em Tecnologia. A R.S. Works T.I. tem certeza que a parceria entre o fornecedor e o cliente é a chave para o sucesso de qualquer projeto e é por isso que na oportunidade de oferecer seus serviços a R.S. Works T.I. foca nos itens necessários para o fortalecimento da parceria, tais como: Prazo, preço, qualidade, ética, transparência.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE